Artigos / Gabriel Guidotti

10/12/15 às 22:43

A jogada de Temer

Imprimir Enviar para um amigo
 
Em carta endereçada a Dilma Rousseff, o vice-presidente Michel Temer foi taxativo. “Tenho mantido a unidade do PMDB apoiando seu governo (...). Isso tudo não gerou confiança em mim. Gera desconfiança e menosprezo do governo". Em outras palavras, ele se sente desprestigiado – ou oportunamente desprestigiado. O teor do documento é um indício de como o PMDB vai se portar face ao processo de impeachment em andamento.
 
Há algumas semanas atrás, Temer liderava, de fato, a ala peemedebista que permanecia fiel ao governo. Com o estouro do rito de impeachment, o cenário mudou, e os membros do partido precisaram se posicionar de vez. Tudo leva a crer que o PMDB está se unindo pela queda da presidente. A sigla não intentava assumir o Planalto no meio da crise, mas em vista das circunstâncias, a estratégia mudou.
 
Quando o apoio é incondicional, normalmente os políticos vão à mídia para proferir declarações contundentes de sua fidelidade. Uma semana depois de aberto o processo de impeachment, Temer não ficou do lado de Dilma em nenhum momento. Não de forma definitiva, ao menos. Por justiça, havemos de considerar a possibilidade de ele ainda não ter se decidido em qual cartilha rezar – embora isso seja improvável.
 
Se não pelo impeachment, a presidência está nas pretensões do PMDB. Em declaração recente, Temer afirmou categoricamente que a sigla terá presidenciável próprio nas próximas eleições. Ele nunca havia falado abertamente sobre o assunto. Desconversava, dizia que o tempo era aliado do partido para uma decisão dessa magnitude. Mas a decisão veio. O último candidato foi Orestes Quércia, em 1994. O trabalho de campanha, seja para manter um posto herdado ou para conquistar um posto vago, será árduo, especialmente na contenção das denúncias que acometeram as fundações da bancada federal.
 
A instabilidade do sistema político brasileiro é sentida de longe. As tensões aumentam a cada dia. Temer pender para um lado? Faz parte da democracia. Talvez ele tenha chegado à conclusão que o PT virou um obstáculo nas intenções do PMDB. Enquanto isso, segue o rito de impeachment, sem previsão de desfecho. O país entrou num estado letárgico no qual governo e congresso abandonaram os problemas sociais para se focar exclusivamente no jogo de cartas da política. Só resta aguardar e ver o que virá na sequência.
Gabriel Guidotti

Gabriel Guidotti

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em direito, jornalista e escritor.
Porto Alegre – RS
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Evandro Carlos

Mauro Mendes, seu plano era “iludir”? Que pena, o meu era te fazer feliz!!!

A música Milu, do cantor mineiro Gustavo Lima, é um dos grandes hits da musica nacional da atualidade, nela o interprete conta a historia de alguém que vive iludido, lembrando que quem cai uma vez, cai três, mas que ele...

 
 
 
 
Sitevip Internet