Artigos / Gabriel Guidotti

29/11/15 às 22:39

Tempo de pensar no planeta

Imprimir Enviar para um amigo
 
Ao meio ambiente, seja nos casos de ação ou omissão atribuíveis a um indivíduo ou a um Estado, imputa-se a necessidade de equilíbrio.  O espaço natural não constitui preocupação da ecologia exclusivamente, mas também de nossa sociedade enquanto espécie dominante. Pensando nisso, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas 21 (COP21) começou no último domingo (29) na busca um novo acordo global. O evento reúne 195 delegações, mais a União Europeia, e vai se prolongar até 11 de dezembro, em Paris.
 
O objetivo primordial da COP21 é formular um estratagema que reduza o aquecimento global a 2 graus Celsius. Em síntese, pode-se fazer a análise de três tipos de fenômenos ambientais. Os promovidos pela natureza; os naturais, porém agravados por intervenções humanas; e os provocados, exclusivamente, pelo homem. O tipo mais corrosivo, evidentemente, é o último. A destruição do meio ambiente atingiu, sobretudo nas últimas décadas, escala industrial. Desse modo, as medidas de hoje incitam nossa continuidade amanhã.
 
Recentemente, num evento cultural realizado em Porto Alegre, a norueguesa Gro Brundtland, uma das militantes ambientais mais reconhecidas e respeitadas do mundo, anunciou suas expectativas face à COP21. Ela lamenta a lentidão dos países em alterar posturas ineficazes. “Uma boa governança funciona dentro de um contexto de regras”, frisou. O modelo atual de desenvolvimento global é, para Gro, insustentável, sob o risco de ecossistemas e comunidades humanas perecerem.
 
Segundo a norueguesa, os efeitos das alterações climáticas já estão sendo sentidos, dos continentes às ilhas, dos países ricos aos pobres. “No futuro, se a situação assim permanecer, o ártico esquentará e o gelo derreterá”, analisa. Gro destaca que a pobreza é a maior fonte de poluição de nosso planeta e alerta a necessidade de os países equalizarem preservação ambiental, social e crescimento econômico. Os três pilares da sustentabilidade, termo cunhado por ela.
 
Destarte, as alterações do estado natural estão diretamente relacionadas à nossa sobrevivência. Na medida em que o planeta perde seu equilíbrio, as catástrofes se agravarão e, consequentemente, o número de vítimas também aumentará. Os refugiados ambientais já existem. À mercê de projetos ineficazes, talvez chegue o dia no qual a raça humana inteira será refugiada. E sem a Terra, não haverá lugar para salvação. Nosso compromisso é aqui e agora. Espero que os países da COP21 percebam isso o quanto antes.
Gabriel Guidotti

Gabriel Guidotti

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em direito, jornalista e escritor.
Porto Alegre – RS
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Não percamos tempo!

             A Terra é um dos Planetas ainda bem distante da perfeição. Se isso não é novidade para quem se aprofunda nos estudos, para os demais...

 
 
 
 
Sitevip Internet